Você já ouviu falar sobre Maria Quitéria? 

 

Maria Quitéria de Jesus, ou simplesmente Maria Quitéria é a principal expoente feminina dentro do processo da independência do Brasil. Nascida em Feira de Santana no ano de 1792 e falecida em 1853 aos 61 anos em Salvador. Sua vida é cercada de algumas controvérsias devido à dificuldade de acesso ou mesmo a inexistência de documentos comprobatórios, principalmente em relação aos anos vividos pela personagem anteriores ao seu ingresso na luta pela Independência do Brasil na Bahia. Contudo, essas lacunas documentais não impedem a história de contar sobre a vida e os feitos de Maria Quitéria, que fugiu da fazenda onde os pais viviam e trabalhavam com as roupas e identidade do cunhado – José Medeiros- para se alistar no Batalhão de Voluntário do Príncipe (Também conhecido como Batalhão dos Periquitos), onde atuou na artilharia e foi promovida a 1° cadete. 

O momento da descoberta de sua identidade feminina é um tanto impreciso. Alguns, afirmam que o pai da jovem ao procura-la na região após sua fuga e descobrir seu paradeiro no exército acabou denunciando-a para seus superiores, que diante das habilidade de Quitéria com as armas e seus feitos não aceitaram libera-la como o pai desejava. Para outros a descoberta se deu pelo seu porte físico mais fraco. O certo é que na documentação do exército encontra-se um pedido para a providencia adequada de um uniforme para ela e de provisões. O que indicam, que Maria Quitéria não apenas foi aceita, como foi reconhecida pelos seus pares. Após, o final das batalhas pela independência, o próprio Imperador D. Pedro I fez questão de conhece-la e condecora-la com a Ordem Imperial do Cruzeiro.  Maria Quitéria, depois da guerra, casou-se e teve uma filha, vivendo uma vida tranquila até sua morte. Apesar dos feitos e da exaltação ao seu nome ela não foi a única mulher a lutar pela Independência do Brasil, há outras que assumiram posições de protagonismo, mas ainda não tiveram sua história contada.  

Imagem de Maria Quitéria

#paracegover Pintura de uma mulher adulta vestida em um uniforme militar de gala, blusa azul com cinto, calça e luvas brancas e sapatos pretos. A blusa traz detalhes dourados no cinto, botões e um adorno transversal no peito, além de uma barra branca. Segura uma arma apoiada no chão. Utiliza cabelos curtos e um quepe dourado com penacho na cor azul e batom vermelho. Ao fundo, uma paisagem com predominância em tons verdes, um rio e coqueiros ao fundo.


P
ara aprofundar a trajetória de Maria Quitéria 

E-biografia de Maria Quitéria.

Construtores do Brasil: Maria Quitéria.  

Maria Quitéria, honra e glória.  

Heroínas baianas: Maria Quitéria, Maria Felipa e Joana Angélica.  

 

Para saber mais 

GALENO, Henriqueta. Maria Quitéria de Jesus, heroína brasileira. Revista da Academia Cearense de Letras, 1954.
VERARDI, Cláudia Albuquerque. Maria Quitéria: primeira mulher do Exército Brasileiro e heroína da Independência do Brasil. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife.
Maria QuitériaResgate da Memória, n.º 2, julho de 2014.
COELHO, Raphael Pavão Rodrigues. A memória de uma heroína: a construção do mito de Maria Quitéria pelo Exército brasileiro. Niterói, 2019